O blog dedicado para você mulher.

Você sabe como funciona a Lei do Carma?

Você sabe como funciona a Lei do Carma?

Muita gente fala de carma, mas poucos sabem exatamente como funciona essa lei. O espiritismo entende o carma como algo que devemos passar independente de qualquer nova ação, como um estigma, um sofrimento imposto por Deus.

A astrologia vê a lei do carma um pouco diferente. Ela é de fato desencadeada pela ação dos planetas em trânsito pelos planetas natais em nosso mapa, mas Carma em sânscrito quer dizer ação. Saturno e Plutão são planetas desencadeadores de carma e por isso é a eles que devemos dar atenção. Saturno e Plutão posicionado nas casas determina a área de vida que cada um de nós terá mais trabalho e que exigirá varias ações efetivas para serem vividas e através do contato direto com a consciência da mensagem que o Universo envia, transformada. É lógico que assim que o planeta é tocado um caudal de energias é despertado e acontecimentos são desencadeados em nossas vidas. Enquanto nossa consciência não é despertada, essas energias continuam desencadeando acontecimentos que a princípio mostram nossa impotência e incapacidade de compreensão.

Um Saturno em trânsito na casa 12 por exemplo, que é a energia vivida pelos escorpianos neste momento, sol ou ascendente, mostra a necessidade de deixar para trás escolhas e padrões de funcionamento que já não têm mais nenhuma utilidade. É uma fase difícil especialmente no primeiro ano, pois esse trânsito começa deixando no ar a falta de sentido em todas as ações que se repetem. Cancerianos estão sob a influencia de Plutão em seus relacionamentos e o trânsito começa mexendo com aspectos mais profundos de sua maneira de se relacionar. Nessa fase possíveis perdas acontecem, ao menos a consciência de que há algo de muito errado na relação. Esses planetas, ou o carma, como preferirem, atuam de acordo com a descoberta e abertura de nossas consciências.

É claro que, se uma pessoa se coloca no papel de vítima, e isso infelizmente ainda acontece muito, as energias continuarão atuando em forma de acontecimentos a princípio inexplicáveis. Somente a partir do momento que saímos da ignorância e a consciência é ativada pelo sofrimento e através de insights somos despertados.

A partir do despertar da consciência começamos a entender essa magnífica lei e a pressão dos planetas sobre nós fica milagrosamente mais leve. Começamos a trabalhar em uníssono com eles e iniciamos uma nova jornada carregada de amor pelo nosso caminho. Portanto, o papel de vítima somente dinamiza o carma impedindo nosso despertar. Pense nisso e comece a atuar na direção de seu próprio crescimento consciente.

Entenda como funciona a Lei do Carma

A palavra carma (em sânscrito karma) significa ação e é muito conhecida por correntes filosóficas e religiosas na Índia. A Lei do Carma é muito utilizada pelo Hinduísmo e Budismo e designada para explicar que todo efeito tem uma causa correspondente, ou seja, toda atitude praticada, seja ela benevolente ou não, terá uma consequência. Carma é um termo, portanto, que precedeu a Doutrina Espírita, codificada em 1857 pelo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, que depois da codificação espírita adotou o pseudônimo de Allan Kardec. Observa-se, então, que não é uma palavra de origem espírita, porém já se encontra de certa forma popularizada e utilizada por alguns espíritas para abordar o assunto da Lei de Causa e Efeito.

Mulher com os braços abertos aos céus

FOTO: Shutterstock.com

Positivo x negativo

Há um engano ao se mencionar a nomenclatura carma apenas sob o aspecto negativo, dando a esta palavra uma conotação de “pagar aquilo que se fez de errado”. Não é bem assim: a questão não está em pagar, quitar ou diminuir um débito adquirido ao passar por sofrimentos da vida. O importante é, acima de tudo, aprender com as situações que estão sendo vivenciadas. Segundo a Doutrina Espírita, Deus não visa punir seus filhos ao estabelecer a Lei de Causa e Efeito, mas ensiná-los a viver conforme as regras que regem o universo. E quando o indivíduo distancia-se destas leis, como, por exemplo, a de amor e a de caridade, ele recebe, como lição natural da vida, a consequência deste distanciamento.

Livre-arbítrio

Outro aspecto interessante a ser recordado é o de que estamos constantemente fazendo escolhas. Muitos males, dores e dificuldades são gerados a partir destas opções. Deus permite que as criaturas tenham o livre-arbítrio, ou seja, pode-se optar por este ou aquele caminho, todavia se há liberdade de escolher, existe, obviamente, a responsabilidade em relação às decisões tomadas. Este é um ponto central e que merece toda atenção por parte do indivíduo: toda escolha gera, fatalmente, uma consequência.

Pessoa caminhando com feixe de luz

FOTO: iStock.com

Origens das aflições

De acordo com O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo 5 – Bem-aventurados os aflitos, que as aflições da vida têm duas origens: a existência passada e a presente. Se ao fazer uma reflexão sincera, livre de preconceitos, o indivíduo não encontrar a causa de suas aflições nesta encarnação, certamente ela reside em vidas passadas. Isso pode perfeitamente ocorrer, porquanto as existências são solidárias, e o que não se consegue aprender em uma vida obviamente fica para uma próxima etapa – um novo mergulho na carne: a reencarnação.

Compartilhe!
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus

Author Info

Isandra Rangel

Sem Comentários

Postar um comentário

Show Buttons
Hide Buttons